Centro Ictiológico: Mundo Aquático Encantado

15/12/2017 14h26min

Fato curioso no Centro Ictiológico da URI

O Centro Ictiológico (CI) da URI Santiago apresenta três linhas básicas de ação: ensino, pesquisa e extensão. Justificando esta tríade, o CI dispende vários esforços na manutenção dos animais que ali habitam, tanto da fauna Icticia, como outros espécimes, entre eles cnidários, crustáceos e equinodermos. A reprodução destes organismos é uma das prioridades de pesquisa no que tange aos aspectos de conhecimento e manutenção do Centro. 

Na manhã do dia seis de dezembro, os colaboradores do CI foram surpreendidos por um fato curioso: quando o professor mestre, Olmiro Bochi Brum, zootecnista, junto das acadêmicas do curso de Ciências Biológicas, Eurides Araci Figueiró Gomes e Bibiana Cruz dos Santos, responsáveis pelo local, foram fazer suas observações habituais, verificaram algo intrigante em um dos aquários. Eles identificaram como sendo filhotes de ofiúro (Ophiothrix fragilis), sendo que o referido progenitor(a) é um animal marinho que habitava sozinho este recinto a quase dois anos, como então poderia ter ocorrido esta reprodução? 

Mais- O Ophiurodea é uma classe de equinodermos conhecida como ofiuroides. Sabe-se que ofiúros são animais de sexo separados na sua maioria, contudo, existem casos de hermafroditismo, porém, até o momento não encontramos na literatura nenhum registro de casos de autofecundação desta espécie ou casos de partenogênese, outro tipo de reprodução não relatada nesta espécie. Normalmente a reprodução dos equinodermos é sexuada podendo ser assexuada. Foi encontrado em literaturas registros de outras espécies de animais, o qual ocorreu reprodução por partenogênese. O que intriga os pesquisadores é que sabemos que a reprodução assexuada ocorre em alguns Ofiuroides pelo processo de fissiparidade, onde o disco central divide-se em dois e cada metade forma um animal inteiro por regeneração, porém, este não foi o caso. A maioria dos equinodermos é dioica (indivíduos de sexos diferentes), principalmente os Ofiuroides que tem um sistema reprodutor relativamente simples e intimamente associado com derivações do celoma, suas gônadas são abrigadas em seios genitais revestidos por peritônio. Esses animais possuem de uma a muitas gônadas, presas no peritônio de cada bursa próximo às suas aberturas. Os gametas são liberados nas bursas e, em seguida, liberados para o meio externo pelas suas aberturas. A incubação dos ovos é comum entre os Ofiuroides, contudo, não existe relato de que estes animais possam se reproduzir por partenogênese ou mesmo ocorrer a autofecundação. “Pesquisadores do Centro Ictiológico da URI agora se esforçam sobremaneira para explicar e comprovar o fenômeno ocorrido”, disse Olmiro. 

 

Tem interesse em saber mais? Entrevistas? Telefone: 9 9906 4246
E-mail: olmiro@urisantiago.br 

Galeria de imagens

Fonte: Núcleo de Comunicação


Postagens Relacionados

URI Santiago realizou formação aos seus professores

20/07/2018 16h39min

Cidades em Transformação para vencer desafios urbanos

20/07/2018 10h17min

Escola da URI recebeu o pró-reitor de ensino da URI

17/07/2018 09h22min

Projeto URI com Você apresentou oficinas nas escolas

13/07/2018 11h13min

Aviso sobre rematrículas

12/07/2018 11h00min

URI trabalha a promoção da saúde

12/07/2018 10h32min







Avenida Batista Bonoto Sobrinho, 733
Santiago/RS - 97700-000
Fones: 0xx55 3251-3151 / 3251-3157
2018 Núcleo de Tecnologia da Informação - URI Câmpus Santiago